terça-feira, 5 de junho de 2012

Evolução...

...não sei se minha... mas com certeza da minha dissertação ou ao menos do que restou dela.
Correções chegando...
passagens compradas...
pânico passando!

Sabendo das deficiências do trabalho... ciente das barbaridades que vou ouvir...
porém...
encerrando esse ciclo...
depois do dia 28... é só corrigir tudo e entregar a versão final!

Tô mais calma.. ainda falta um monte, mas não vou entrar em pânico eu acho.


Encerrando mapas... inserindo fotos... montando listas... fechando bibliografia.

Imprimir... SEDEX vou ficar pobre meu Deus  e depois já era!

Só agradecer e defender!
*-*

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Fim de ciclo...


54 quilos... em 1,68m!É assim que estou... só osso!Sem dinheiro, sem perspectiva... sem vontade!

Cheia da contas pra pagar... isso tem de sobraaaSó contando com os de fé... maridão... filhas perto ou longe... sem essa minha base... neeeem sei! o.O

 Mudando o rumo dos meus passos... caminhando quase que na direção oposta... só em busca de outros caminhos... sem tanto apego... sem obrigações nem pressões!
Encerrando ciclos... fechando portas... abrindo janelas!
Mudando... meus padrões, meus rumos... trocando o duvidoso pelo certo... perdendo o medo... aprendendo na dor como é bom fazer o que se quer... como é bom trabalhar com prazer... como é bom escolher seu rumo, como é bom ser autora da sua própria história!

Em nenhum outro momento o nome do meu blog fez tanto sentido... tô amando me conhecer, me reconhecer, me descobrir e ver o quanto de tempo que perdi... e saber o quão é gostoso recuperar... devagar... sem pressa! Aprender a ser eu mesma... parece tão fácil quando escrevo... talvez idiota, banal... mas pra mim doeu, está doendo... é um rito de passagem... com data pra acabar (AMÉM)!


Vai doer... mas... VAI ACABAR!!!
Ah vai!

Tempo!

Tento me organizar pra fazer tudo... boto tudo na agenda bem bonito... mas sempre falta tempo pra tudo... e se eu faço tudo, fica ainda meio imperfeito!
Não sei bem o que fazer... 
ou sei e não tenho tempo...
ou pior... sei... tenho tempo... mas não tenho mais interesse e reluto em assumir isso.


É...
vou pensar sobre isso! 
o.O

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Inverno x Corrida!!!

Ai... hoje quase desisto do meu "Projeto Bumbum Delícia 2013" (PBD2013)... correr na orla do Guaíba é uma delícia... mas cara, com esse friozinho chegando, confesso que me senti ameaçada! =/
Juro que a sensação é essa da foto... de correr na neve... o ar falta... enfim!
Fico pensando... e quando o inverno de verdade chegar... pra onde vai minha disposição pra correr... pra começar o dia bem!!! E o PBD2013... vai pro saco???


Não sei que roupa botar... acho que vou começar a correr e vai esquentar demais se eu tiver de moleton... mas tenho medo de pegar uma gripe com o ar gelado... enfim... não sei muito bem o que fazer.
FONTE:http://www.alsafitness.com.br/blog/atividade-fisica-no-inverno-voce-pode


Vou pra frente do espelho e repito 3 vezes "EU VOU"!!!


Ou não...




o.O

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Relato da Primeira Depilação...


Gente, o texto não é meu, nem a foto, mas eu ri tanto que não consegui não compartilhar com vocês!!!

DIVIRTAM-SE!!!

rssrrsrsrsrsrsrsrsrs

.
.
.
.

"Tenta sim. Vai ficar lindo..."

Foi assim que decidi, por livre e espontânea pressão de amigas, me render à depilação na virilha. Falaram que eu ia me sentir dez quilos mais leve. Mas acho que pentelho não pesa tanto assim. Disseram que meu namorado ia amar, que eu nunca mais ia querer outra coisa. Eu imaginava que ia doer, porque elas ao menos m...e avisaram que isso aconteceria. Mas não esperava que por trás disso, e bota por trás nisso, havia toda uma indústria pornô-ginecológica-estética.

- Oi, queria marcar depilação com a Penélope.
- Vai depilar o quê?
- Virilha.
- Normal ou cavada?

Parei aí. Eu lá sabia o que seria uma virilha cavada. Mas já que era pra fazer, quis fazer direito.

- Cavada mesmo.
- Amanhã, às... Deixa eu ver...13h?
- Ok. Marcado.

Chegou o dia em que perderia dez quilos. Almocei coisas leves, porque sabia lá o que me esperava, coloquei roupas bonitas, assim, pra ficar chique. Escolhi uma calcinha apresentável. E lá fui. Assim que cheguei, Penélope estava esperando. Moça alta, mulata, bonitona. Oba, vou ficar que nem ela, legal. Pediu que eu a seguisse até o local onde o ritual seria realizado. Saímos da sala de espera e logo entrei num longo corredor. De um lado a parede e do outro, várias cortinas brancas. Por trás delas ouvia gemidos, gritos, conversas. Uma mistura de "Calígula" com "O albergue".

Já senti um frio na barriga ali mesmo, sem desabotoar nem um botão. Eis que chegamos ao nosso cantinho: uma maca, cercada de cortinas.
- Querida, pode deitar.

Tirei a calça e, timidamente, fiquei lá estirada de calcinha na maca. Mas a Penélope mal olhou pra mim. Virou de costas e ficou de frente pra uma mesinha. Ali estavam os aparelhos de tortura. Vi coisas estranhas. Uma panela, uma máquina de cortar cabelo, uma pinça. Meu Deus, era O Albergue mesmo.
De repente ela vem com um barbante na mão. Fingi que era natural e sabia o que ela faria com aquilo, mas fiquei surpresa quando ela passou a cordinha pelas laterais da calcinha e a amarrou bem forte.

- Quer bem cavada?
- .é... é, isso.
Penélope então deixou a calcinha tampando apenas uma fina faixa da Abigail, nome carinhoso de meu órgão, esqueci de apresentar antes.
- Os pêlos estão altos demais. Vou cortar um pouco senão vai doer mais ainda.
- Ah, sim, claro.
Claro nada, não entendia porra nenhuma do que ela fazia. Mas confiei. De repente, ela volta da mesinha de tortura com uma esp átula melada de um líquido viscoso e quente (via pela fumaça).

- Pode abrir as pernas.
- Assim?
- Não, querida. Que nem borboleta, sabe? Dobra os joelhos e depois joga cada perna pra um lado.
- Arreganhada, né?
Ela riu. Que situação. E então, Pê passou a primeira camada de cera quente em minha virilha Virgem. Gostoso, quentinho, agradável. Até a hora de puxar.
Foi rápido e fatal. Achei que toda a pele de meu corpo tivesse saído, que apenas minha ossada havia sobrado na maca. Não tive coragem de olhar. Achei que havia sangue jorrando até o teto. Até procurei minha bolsa com os olhos, já cogitando a possibilidade de ligar para o Samu. Tudo isso buscando me concentrar em minha expressão, para fingir que era tudo supernatural.
Penélope perguntou se estava tudo bem quando me notou roxa. Eu havia esquecido de respirar. Tinha medo de que doesse mais.
- Tudo ótimo. E você?

Ela riu de novo como quem pensa "que garota estranha". Mas deve ter aprendido a ser simpática para manter clientes. O processo medieval continuou. A cada puxada eu tinha vontade de espancar Penélope. Lembrava de minhas amigas recomendando a depilação e imaginava que era tudo uma grande sacanagem, só pra me fazer sofrer. Todas recomendam a todos porque se cansam de sofrer sozinhas.
- Quer que tire dos lábios?
- Não, eu quero só virilha, bigode não.
- Não, querida, os lábios dela aqui ó.
Não, não, pára tudo. Depilar os tais grandes lábios ? Putz, que idéia. Mas topei. Quem está na maca tem que se fuder mesmo.
- Ah, arranca aí. Faz isso valer a pena, por favor.
Não bastasse minha condição, a depiladora do lado invade o cafofinho de Penélope e dá uma conferida na Abigail.
- Olha, tá ficando linda essa depilação.
- Menina, mas tá cheio de encravado aqui. Olha de perto.
Se tivesse sobrado algum pentelhinho, ele teria balançado com a respiração das duas. Estavam bem perto dali. Cerrei os olhos e pedi que fosse um pesadelo.
"Me leva daqui, Deus, me teletransporta". Só voltei à terra
quando entre uns blábláblás ouvi a palavra pinça.
- Vou dar uma pinçada aqui porque ficaram um pelinhos, tá?
- Pode pinçar, tá tudo dormente mesmo, tô sentindo nada.
Estava enganada. Senti cada picadinha daquela pinça filha da mãe arrancar cabelinhos resistentes da pele já dolorida. E quis matá-la. Mas mal sabia que o motivo para isso ainda estava por vir.
- Vamos ficar de lado agora?
- Hein?
- Deitar de lado pra fazer a parte cavada.
Pior não podia ficar. Obedeci à Penélope. Deitei de ladinho e fiquei esperando novas ordens.
- Segura sua bunda aqui?
- Hein?
- Essa banda aqui de cima, puxa ela pra afastar da outra banda.
Tive vontade de chorar. Eu não podia ver o que Pê via. Mas ela estava de cara para ele, o olho que nada vê. Quantos haviam visto, à luz do dia, aquela cena? Nem minha ginecologista. Quis chorar, gritar, peidar na cara dela, como se pudesse envenená-la.
Fiquei pensando nela acordando à noite com um pesadelo. O marido perguntaria:
- Tudo bem, Pê?
- Sim... sonhei de novo com o cu de uma cliente.
Mas de repente fui novamente trazida para a realidade. Senti o aconchego falso da cera quente besuntando meu Twin Peaks. Não sabia se ficava com mais medo da puxada ou com vergonha da situação. Sei que ela deve ver mil cus por dia. Aliás, isso até alivia minha situação. Por que ela lembraria justamente do meu entre tantos? E aí me veio o pensamento: peraí, mas tem cabelo lá? Fui impedida de desfiar o questionamento. Pê puxou a cera. Achei que a bunda tivesse ido toda embora. Num puxão só, Pê arrancou qualquer coisa que tivesse ali. Com certeza não havia nem uma preguinha pra contar a história mais. Mordia o travesseiro e grunhia ao mesmo tempo. Sons guturais, xingamentos, preces, tudo junto.
- Vira agora do outro lado.
Porra.. por que não arrancou tudo de uma vez? Virei e segurei novamente a bandinha. E então, piora. A broaca da salinha do lado novamente abre a cortina.
- Penélope, empresta um chumaço de algodão?
Apenas uma lágrima solitária escorreu de meus olhos. Era dor demais, vergonha demais. Aquilo não fazia sentido. Estava me depilando pra quem? Ninguém ia ver o tobinha tão de perto daquele jeito. Só mesmo Penélope. E agora a vizinha inconveniente.
- Terminamos. Pode virar que vou passar maquininha.
- Máquina de quê?!
- Pra deixar ela com o pêlo baixinho, que nem campo de futebol.
- Dói?
- Dói nada.
- Tá, passa essa merda...
- Baixa a calcinha, por favor.

Foram dois segundos de choque extremo: "Baixe a calcinha".... como alguém fala isso sem antes pegar no peitinho? Mas o choque foi substituído por uma total redenção. Ela viu tudo, da perereca ao cu. O que seria baixar a calcinha? E essa parte não doeu mesmo, foi até bem agradável.

- Prontinha. Posso passar um talco?
- Pode, vai lá, deixa a bicha grisalha.
- Tá linda! Pode namorar muito agora.
Namorar...namorar?!... eu estava com
sede de vingança.
Admito que o resultado é bonito, lisinho, sedoso. Mas doía e incomodava demais. Queria matar minhas amigas. Queria virar feminista, morrer peluda, protestar contra isso. Queria fazer passeatas, criar uma lei antidepilação cavada.
Mas eu ainda estou na luta...
Fica a minha singela homenagem para nós mulheres!" 

Isabela.


E aí... gostaram do Relato da Isabela???
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


terça-feira, 15 de maio de 2012

Camila vai ser MESTRE... \o/


Resolvi correr atrás do prejuízo... to escrevendo... organizando as idéias, me mantendo focada e atualizando o blog pra vê se alguém me ajuda
Cansa sim... já tô exausta, mas vou ser MESTRE no fim dessa correria... custe o que custar!
Se é pra sair, vou sair de trabalho finalizado e cabeça erguida porque foi pra isso que recebi bolsa por mais de 2 anos. Ninguém me obrigou a fazer a prova do mestrado... agora tenho que me resolver.
Apresentar? Vou... é assim que a coisa funciona mesmo eu já estando sim com vontade de correr novamente só em falar nisso!!!
Mas está sendo muito bom... ao menos enxerguei de uma vez o que já tava na minha cara e eu ignorava... meu futuro não está na Geomorfologia (eu acho... o.O)!


Agora eu pergunto... ONDE ESTARÁ!!!???

Tô sem tempo... FUI trabalhar!!!


Em tempo: quem souber de uma vaguinha de emprego de qualquer coisa por enquanto, me avisa tá! Tenho contas pra pagar entre um surto e outro!
o.O


sexta-feira, 11 de maio de 2012

E tome Stress...

Ai... pra começar bem... perdi parte dos meus resultados e tenho 50 dias pra apresentar... isso mesmo... 50 dias!
To mal... to tensa... to querendo tempo, dinheiro... psicólogo!
Não comprei passagem, não tenho dinheiro, o orientador não responde meus e-mails...
Não... não sei o que fazer no momento!


Desesperada??? O.o
Um pouco sim...


Melhor ir trabalhar né!
Bom...


#FUI 

quinta-feira, 10 de maio de 2012

E chega de abandono...

Ai gente.. vivo abandonando esse meu blog né! 
É... eu sei... 


=/


Prometo parar com isso... PROMETO!


De agora atééé o fim e Junho vcs vão me acompanhar na saga que é terminar uma dissertação com filho, marido, distância e pouca memória... vão acompanhar meus surtos delírios, que são poucos mas absolutamente necessários para evitar um manicômio no final.
Enfim...


Me ajudem... preciso de um empurrão... vários... acho!


Beijinhos!
*-*

quinta-feira, 1 de março de 2012

Relato do Parto da Anahi!!!


Começar a escrever o relato do meu parto é difícil pra mim, é complicado escrever um relato de um sonho realizado, da medo de misturar o que é realidade e o que é fantasia! Fantasia? Sim... fantasia, passei semanas fantasiando como seria... espero ser o mais realista possível! Outra coisa complicada é saber a partir de que data começar a relatar... da decisão por um PD? Do dia que soube da existência das doulas? Da primeira consulta com um GO humanizado? Dos pródromos?
Bom... vou para onde tudo começou, vou partir do dia em que ouvi pela primeira vez a sugestão de um parto em casa!
Por volta dos 4 meses de gestação, um amigo e vizinho nosso, o Rogério, pai do Francisco, que nasceu na casa deles, nos olha e diz: “Porque vocês não fazem o parto em casa?!” Pensei... ele é louco e com louco não se discute... respondi um “Vamos ver!” e encerramos o assunto!
Com cerca de 28 semanas de gestação, pesquisando coisas na internet, vi um vídeo que mudou minha vida e o que eu pensava sobre partos... era um parto natural, em casa, em uma banheira... lembro que na hora que o bebê nasceu eu caí em lágrimas em casa!
Mostrei ao Vagner, meu marido, ele gostou também... aliás, ele sempre me apoiou em tudo, me incentivou muito!
Aí entrei na lista Parto Nosso e fui “achada” por uma Doula... a Zezé... minha professora de Yoga, Doula, amiga e co-responsável por tanta coisa boa que me aconteceu depois disso!
Daí até meu parto fui devorando livros, relatos, informações sobre minhas chances de ter um VBAC, mudei de médico sem meu plano cobrir nada, decidi pagar pra ter o parto do jeito que EU queria... simmmm... EU queria... e descobri que poderia... do jeito que minha Anahi merecia! Eu merecia parir, já havia passado por uma cesárea muito desnecessária (Relato do Parto de Maria Clara) e agora que eu sabia que eu podia... ninguém ia me tirar isso!
Eu e Vagner queríamos o parto em casa, mas a casa é da minha sogra, e além dela meu cunhado também mora conosco! Portanto, teríamos que convencê-los... demorou... demorou... mas conseguimos... na última semana... embora eles ainda estivessem apavorados com a idéia, deixariam a casa liberada... \o/
Minha nova equipe médica era exatamente a mesma que fez o parto do Francisco, o filho do Rogério, que tempos atrás eu chamei de louco!
Eu li, conversei, tirei dúvidas, me emponderei, montei e preparei minha equipe para que tudo corresse bem e...
... com 37 semanas e um dia, 05 de Abril de 2011, fui para minha segunda (e última... mas eu ainda não sabia disso) aula de Yoga lá na casa da Zezé, foi ótimo, senti meu corpo funcionando, delícia! À noite senti umas contrações e achei que estavam muito próximas, comecei a marcar... variavam entre 8 e 10 minutos... aí a Zezé me mandou pro chuveiro... fui, e tudo passou... mas ela me alertou que poderiam ser os pródromos já!
No dia seguinte tinha uma reunião com a Zeza, a parteira, elemento fundamental da minha equipe! Eu e mais 3 gestantes fomos e tiramos muitas dúvidas... eu tirei todas as que me rondavam ainda!
Dia 07 acordei me sentindo estranha, limpando tudo e fiz uma lista das coisas mais importantes que faltavam no enxoval da Anahi!
Na sexta e no sábado fui ao centro de Porto Alegre comprar as coisas da lista, eram tantas coisas que fui dois dias, pra não carregar tanto peso com meu barrigão de 8 meses e meio!
Nada disso foi avisado a ninguém, NADA, NINGUÉM! Nem de pródromos, nem de sentimentos estranhos, ansiedade... enfim!
No sábado à noite, de papo com uma das meninas que trabalham em um centro espírita que eu já frequentei lá em Natal/RN, ela sutilmente me diz pra deixar tudo pronto, que minha Anahi estava chegando, que eu teria um parto rápido e tranqüilo... fiquei eufórica na hora... depois relaxei e senti que era hora só de esperar!
Domingão, almoço em família e eu tive certeza... era o meu último de barrigão! Depois de um dia bem normal... quando fui dormir, tive um pouco de cólicas... mas até aí, achei que tinha exagerado na lasanha!
Mas...
... dia 11 de Abril de 2011, segunda feira, ao amanhecer, casa vazia, minha sogra já tinha ido para o trabalho, e meu cunhado não havia chegado da noite. Fui ao banheiro umas 3 vezes com cólicas ainda, evacuei tudo que tinha... mas as cólicas continuaram... e de repente, um pequeno sangramento!
Não me apavorei nem nada e fui contar o tempo das minhas contrações! Pasmem, estavam de 3 em 3 minutos, mas mal doíam ainda... ainda!
Liguei para a Zezé pra deixá-la alerta e ela me mandou passar uma hora no chuveiro quente! Passei mas nada adiantou, pedi pra que ela viesse pra nossa casa! Meu marido se concentrou na faxina da casa, limpando tudo! Ele colocou as músicas que eu havia separado, comprou incensos, deixou tudo como havíamos combinado!
Naquele momento eu nem tinha lá muito certeza de que queria o parto em casa, apenas fui ficando lá, respirando... era um lindo dia e eu estava muito calma, muito tranqüila!
Daí a Zezé chegou, fiquei ainda mais calma, estava com um sorriso no rosto... ela encheu a bola, eu fiquei sentadinha na bola, rebolando, sentindo cada contração, sentindo as dores aumentarem... sem pânico... eu sabia que ia doer... mas eu estava bem preparada e equipada!
Por volta das 11h (eu acho) a Zezé ligou pro Ric e pra Zeza, meu obstetra e minha parteira, e avisou que meu trabalho de parto estava evoluindo! Na minha cabeça tudo passou muito rápido... lembro de pensar muita bobagem no começo, coisas do tipo: “a casa vai ficar toda suja”, “o Vagner vai se assustar”, será que vou sangrar horrores?”, “eu vou morrer!” rsrsrsrsrsrs Muitas bobagens e absurdos... mas com o aumento das dores, a concentração era mais do que necessária... lembrava das aulas de Yoga com a Zezé, ela falava “concentra na respiração em tubo”, “relaxa o resto do corpo”... e tudo me parecia estar indo muito bem... e estava! Por volta do meio dia o Ric e a Zeza chegaram, as contrações estavam doloridas mas bem ritmadas e suportáveis, o Ric fez um toque e eu estava com 4cm de dilatação... mas no toque, a bolsa estourou! Perguntei a hora e me disseram 12:40, achei uma maravilha pois na minha cabeça não tinha passado nem uma hora... fiz as contas e eu estava dilatando cerca de um centímetro por hora... me pareceu bom! Voltei pro chuveiro quente (que sensação boa), fiquei sentada na banqueta embaixo do chuveiro pra relaxar o corpo, mas tudo fluía muito bem... porém, depois da bolsa rompida, as dores eram mais intensas.
Lembro que no máximo de meia em meia hora a Zeza ouvia os batimentos da Anahi, o que me deixava mais confiante. Penduramos o cordel vermelho de capoeira do Vagner na janela do banheiro e a cada contração eu estava lá, pendurada, tentando manter a dor apenas onde realmente tinha que doer!
 Lembro que em momento nenhum pensei em anestesia... as massagens da Zezé... o rosto da Zeza (a pessoa com o rosto mais sereno que já vi).. me acalmavam a ponto de fazer a dor diminuir... mas não por muito tempo (rsrsrs)! As dores aumentaram muito e eu desisti do chuveiro, lembro que nesse momento eu aceitava tudo o que me oferecessem, “quer sentar na bola?”, “quer água?”, “quer ir pra cama?”... minha resposta era sim pra tudo... mas fui pra cama... ficar na posição de 4 foi o que mais me aliviou, além das massagens da Zezé e da Zeza.
De repente comecei a sentir um ardor próximo a minha cesárea, não ouvi nada mas senti um ar preocupado do Ric, que decidiu por antecipar o próximo toque... muito é pouco... doeu TUDO... até xinguei ele, tadinho... mas as palavras dele depois do toque aliviaram muito as dores... “dilatação total, é só nascer!”.
Tive vontade de gritar de felicidade... não sei quanto tempo demorou desse momento até a Anahi nascer, mas eu lembro que doía, e eu gritava, pedia ajuda, um show... e de repente eu ouvi o Ric me chamando “Camila, CAMILA... vc vai assustar seu bebê!”.. e eu me perguntava, “Pq eu estava gritando?”... minha cabeça estava confusa, mas lá estava eu, no meu momento, sentada na banqueta, escorada nas pernas do meu marido que estava sentado na nossa cama, no nosso quarto... o Ric filmava, eu apertava a Zezé, e olhava a Zeza na minha frente fazendo uma respiração que eu entendi que era pra imitá-la, e foi o que eu fiz... respirei... respirei...
... de repente me deu uma vontade imensa de fazer força... e eu fiz! Jamais vou esquecer esse momento... o Vagner chorando, eu chorando... a Anahi chorando, linda, negrinha, toda inchada, bem pequena... deliciosa! Veio pro meu colo e parou de chorar... ficou calminha, coisa mais linda da minha vida!
Depois disso, me botaram na cama agarradinha com ela, tínhamos que esperar a placenta sair... momento mais que mágico! O Vagner com uma cara de bobo linda, quase sem acreditar. Ela bem calminha, não conseguia mamar, mas ficava me lambendo, que delícia... ser mamífera é uma delícia! A placenta saiu, o Vagner cortou o cordão... não lembro bem da ordem... rsrsrsrs. Botamos a menor roupa que tínhamos pra ela... ficou enorme.
Sentei na cama, muito orgulhosa do meu feito, muito feliz por ver os olhos do meu marido, muito segura, por ver que a minha decisão de parir em casa foi muito acertada... plena!
A Zeza pegou a Anahi pra fazer as medições necessárias, aproveitei pra tomar uma canja que o Vagner havia preparado. Depois disso a minha pequena dormiu... dormiu muito. Eu não cansava de olhar pra ela... eu ainda não canso de olhar pra ela...
Hoje ela está com 10 meses e 18 dias... ontem a noite ela andou sozinha pela primeira vez... e eu continuo muito orgulhosa dela, de mim, do meu marido e da família que construímos!

sábado, 7 de janeiro de 2012

Nail Art??? Um dia eu aprendo... rsrsrsrsrs

E esse post vai pra minha miguxa Simone Bispo, do Blog Unhas de Bispo, ela e seus liiindos esmaltes estão me influenciando loucamente a fazer o que posso pra deixar minha unhas impecáveis... mas eu só faço o que posso né gente!!! Um dia eu chego lá Si!

Tava conversando com ela e disse que arrisquei fazer algo diferente nas unhas e ela ficou brava pq não mostrei pra ela...
pronto Simone, ta ai! Não é nenhum espetáculo, eu sei... mas tô me esforçando!!! =P

Os esmaltes são fáceis de encontrar, é só dar uma passadinha no Site da Simone (Dona Bispa Store)... ela tem!!! \o/
1º: Missão Azul (Colorama) + Camila (Rivka)
2º Azul Petróleo (Ellen Golg - Mettalic) + Rebeka (Rivka)

Bom... nem sei se é assim que se botam as referências dos esmaltes... ta certo isso Simone!!!???

É isso... um post dedicado aos cuidados que TODA mulher deve ter... comecei pelas unhas!!!
Beijinhos amores!!!
*___*



quarta-feira, 4 de janeiro de 2012